quarta-feira, 1 de abril de 2009

AVISO: Os direitos dos textos estão reservados a Marcelo Cajui

Bailarina sob Luzes
Foto: Gabriel, Biel ou gabrielvis, menos Gabriel Alves.
__________________________________________________________________



De Santo a Luz

Mais um dia de frente pra loja do índio
Uma loja de artigos
Curas milagrosas e ervas finas
Cá estou
- a corrente de ar é gelada -
parado em frente aos trilhos
Ainda espero
Ouço um homem que diz:
- O trem ta atrasado
(acho que pensando em trabalho)!,
e outras vozes dizendo:
- Já ta vindo, bóra!

Logo ao entrar um apito e um aviso:
- Atenção!
- Fiquem atentos!
E blábláblá -
Esse blábláblá dá medo.
Um homem fala aos berros num celular
Pensei que pararia ao desligar,
só que continuou a falar com um amigo ao lado.
Sou obrigado a mudar de lugar
Pois meu ipod está quebrado
Odeio ouvir tanta asneira

Vejo que não há jeito.
Quando uma pessoa vê é voyer,
E quando ela ouve?,
É o que?

Pois bem,
Prefiro música.
Olho pela janela:
Percebo que a loja do índio ficou pra trás
Como em todos os dias

Mais um aviso avisa
Mais um apito apita
Mais uma estação
Mais um apito
Mais um aviso
Entra uma dama
Seu cheiro lembra o das de companhia.

O trem segue monótono,
Um casal flerta
A conversa é boa
Prendo-me neles.
Um abraço gostoso
Tenho vontade de participar...
Me chutariam decerto

Aviso apito, apito aviso
Um casal entra em silêncio
Noto ser um casal de idosos.

Aviso apito, apito aviso
Entra uma mosca chata
Ela incomoda e não vai embora

Aviso apito, apito aviso
Perco de repente a atenção na dissertação
Olho para o lado:
Oh apito danado de bom
Me trouxe uma Jaguara
Uma beleza para olhar.

O trem acelera
Próximo estou
O mato ficou
Junto com a loja
esquecida momentaneamente
Aviso apito, apito aviso
Vejo galpões o trem acelera.
Estou chegando
Estou chegando
Como glóbulo vou entrando.

Aviso apito,
O desespero chegou empurrando
Há pressa
De chegar amontoando.
Ouço o apito ao fundo
Adeus por enquanto loja do índio.

_____________________________________________



Meu Ipod esta quebrado, não tem música.

______________________________________________

Ainda falando de Mac, uma DICA interessante é sintonizar nas rádios online que o Itunes disponibliza gratuitamente. Dá pra pegar bastante tendências das gringas.

OUTRA: hoje, exatamente hoje (umas 10h00) passei pelo museu da lingua portuguesa. Não tenho palavras para escrever sobre a grandiosidade daquele lugar.
O ingresso custa 4 reais e você ainda pode assitir duas obras de arte: filme de aproximadamente 10 minutos, depois a apresentação de outra obra audiovisual.
Sem palavras.
http://www.museulinguaportuguesa.org.br/museudalinguaportuguesa/index.html

Um comentário:

coffee-break disse...

Eu sempre quis ir ao museu da língua portuguesa, mas nunca fuuui :(

"Vejo que não há jeito.
Quando uma pessoa vê é voyer,
E quando ela ouve?,
É o que?"

écouter! (vi no dicionário... não sei se é isso... huahauahua)

mas rima :)

poxa, a foto da bailarina é linda!!! parabéns pro Gabriel que não é Alves!

Bom.. não vou traduzir todo aquele post, mas vou (tentar) transcrever o diálogo que tinha lá!

"Romeo: É o amor algo tenro/ carinhoso? Ele é tão violento, tão rude, tão alvoroçado, e ele atormenta como um espinho.
Mercutio: Se o amor for violento com você, seja violento com o amor. Atormente o amor por estar atormentando e você o derrotará."

precisamos combinar uma cerveha!
bom fds!

bjos